Print Friendly Version of this pagePrint Get a PDF version of this webpagePDF

segunda-feira, 18 de março de 2013

Filmes indicados




Filme espetacular, história sensacional. Nos leva a pensar em como aceitamos tudo calados, sem ter a noção de que temos sim poder até mesmo para mudar um regime de governo, e também nos passa que temos força interior para encarar nossos medos, e que somos mais fortes do que pensamos. 














Chauí chama a atenção para o nome dos personagens principais Neo (novo, ou renovado) e Morfeu (espírito, filho do Sono e da Noite etc…)  O filme trata da questão do real e virtual. Aborda inclusive, o livro “Simulacros e Simulações” de Jean Baudrillard. Em uma das passagens Neo é orientado: “O que é real? Como você define o real? Se está falando do que consegue sentir, do que pode cheirar, provar, ver… então, ‘real’ são simplesmente sinais elétricos interpretados pelo cérebro”. E eis a continuação: “Tudo é simulação. O real é deserto”. Essa passagem nos coloca frente à pergunta de Sócrates: O que é? ao questionar a realidade, a verdade, a justiça, enfim, a vida .Oráculo em que se exibe a frase em latim: Conhece-te a ti mesmo.
E é assim que Marilena Chauí define Sócrates, comparando-o a Neo que luta para vencer a Matrix. “Por que Sócrates é considerado o ‘patrono da Filosofia’? Porque jamais se contentou com as opiniões estabelecidas, com os preconceitos de sua sociedade, com as crenças inquestionadas de seus conterrâneos. Ele costumava dizer que era impelido por um espírito interior (como Morfeu instigando Neo) que o levava a desconfiar das aparências e procurar a realidade verdadeira de todas as coisas” (CHAUÍ, 2009, p.11).REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. 13 ed. 9 reimpr. São Paulo: Ática, 2009