Print Friendly Version of this pagePrint Get a PDF version of this webpagePDF

domingo, 30 de março de 2014

NOSSOS DEFEITOS



Conhecer nossos defeitos deveria provocar imediata resposta na direção de buscarmos sanar as limitações e avançarmos na direção do bem-estar.
Nada é mais importante do que estarmos bem intimamente. Nossos defeitos correspondem ao que nos prejudica: devemos tentar nos livrar deles.
Tentar se modificar implica, como regra, uma renúncia ou perda de gratificação imediata em nome de uma condição íntima bem melhor no futuro.
Ser capaz de abrir mão de um ganho no curto prazo em favor de um benefício maior no futuro corresponde a uma faceta essencial da maturidade.
No caso de um vício, quem lutar contra ele terá que abrir mão de um prazer imediato em nome da preservação da saúde física ou mental futura.
Os obstáculos a ser enfrentados por quem pretende se livrar de seus defeitos serão enormes; e irá exigir o uso de toda sua força de vontade!

A força necessária para desencadear o processo de mudança deriva da razão; e ela se fortalece à medida que entendemos melhor a nós mesmos.
Gykovate