Print Friendly Version of this pagePrint Get a PDF version of this webpagePDF

segunda-feira, 26 de maio de 2014

A TV EXPRESSA O NOSSO IDEAL DE EGO?

 É possível proceder a uma análise da televisão por diversos caminhos, de diversas maneiras. Com esse mesmo termo, "TV",  posso me referir, entre outras coisas, tanto a um aparelho eletrônico quanto a um determinado tipo de programação. Sendo de orientação psicanalítica a abordagem desta pequena reflexão, a TV a que me refiro neste momento se limita a obras de ficção, novelas, filmes, programas de auditório, reality shows, etc. Isso é, a esse tipo de programação que diz respeito a entretenimento.
O slogan da Rede Globo, "a gente se vê por aqui", é uma das mais perfeitas expressões sobre o que é a televisão, neste sentido. Entretanto, a TV é muito mais do que uma simples expressão do que somos na realidade: ela é também aquilo que gostaríamos de ser. A TV expressa o nosso ideal de ego e, de forma análoga aos sonhos, satisfaz de maneira "virtual" os nossos desejos inconscientes.
As pessoas não assistem a programas com os quais elas não se identificam. Há uma motivação psicológica, inconsciente, que as leva a assistir determinados programas, a acompanhar determinadas séries, seriados, novelas, etc.
O que acontece é que a televisão cria um ambiente no qual as pessoas se sentem livres para expressar tudo àquilo que a civilização não permite que elas expressem um ambiente no qual se realizam todos os seus desejos, conscientes e inconscientes, os quais, devido à repressão da civilização ou a qualquer tipo de impossibilidade de sua atualização (no sentido Aristotélico do termo), são impedidos de alcançar gratificação no mundo real.
Dizendo isso de outra forma: muitas mulheres gostam de ver novelas porque ali, a mocinha com a qual ela se identifica se casa com o personagem interpretado pelo Rodrigo Santoro, se torna rica e vence suas adversárias no final. Ou então a mocinha pobre, que tem uma vida difícil como a dela, "espelha" a sua própria vida na telinha da TV e expressa as suas próprias emoções. O mesmo ocorre com programas humorísticos. Como Freud já apontara, o humor é uma forma de nos libertarmos de nossas inibições para expressar o que de outra forma nunca ganharia expressão.
Penso que, ao refletir sobre a televisão, não podemos perder de vista que a TV é feita de pessoas para pessoas, e que o slogan da Rede Globo - "a gente se vê por aqui" - diz algo de muito profundo e verdadeiro sobre a essência da TV.

Digo isso porque é muito comum encontrar pessoas que vivem criticando a televisão, mas que, no entanto, não conseguem apertar o botão de desligar e abrir um bom livro. O que elas criticam, na verdade, é a si mesmas. Elas apenas projetam na TV as suas próprias mazelas.
 Glauber Ataide